Primeiro transforma os corpos em vasilhames, depois enche de bebida.

O discurso pró vida é uma falácia, milhares de pessoas morrem devido a indústria do álcool que sabe do seu poder, e não tem preocupação social com uma população que consome seus produtos. A desinformação sobre o uso dessas drogas é tamanha que os consumidores sequer conseguem relacionar os efeitos no próprio corpo.

Não bebo todos os dias, Bebo socialmente, bebo porque gosto, uma cervejinha não faz mal a ninguém.

Estes são os discursos internalizados e propagados pela população na tentativa de prevalecer ou minimizar a preocupante crise do alcoolismo atualmente, principalmente entre os jovens. Durante a pandemia ao invés da população se distanciar do álcool devido ao que ele faz com a imunidade do corpo, fizeram exatamente o contrário, e muita gente depositou na bebida uma saída pra esquecer os efeitos da quarentena. A população trancada em casa e acompanhada de Shows em lives patrocinadas por bebidas alcoólicas no pico do isolamento, foi que ficou evidente a glamourização da bebida alcoólica e o desespero dessa parte da população altamente dependente. É justamente aí que está a falácia do discurso pró vida, o Estado que na teoria deveria zelar pela saúde do povo, não se importou com esse pequeno detalhe, e segundo seus órgãos de saúde relatam que o alcoolismo causa mais de 200 doenças. A pergunta que fica é, por que não existe um controle maior ou informações sobre o uso abusivo destas drogas? No imaginário de boa parte da população por ser liberado, é como se fosse bom, e acreditam fielmente que o Estado está controlando e só libera o consumo porque não tem nenhum mal a saúde. Vale lembrar que todas substâncias desnecessárias ou que não pertença ao nosso corpo, causa algum tipo de reação adversa, no caso desses líquidos que não passa de água suja misturada com aditivos são altamente prejudiciais (é só procurar os estudos relacionado ao uso do álcool). São substâncias que lhe tira de seu estado de eu consciente e lhe deixa em um vegetativo, e não é só no momento que ingeres, isso porque as substâncias ficam dias, semanas, meses e anos no corpo, desde o último gole. Os efeitos são percebíveis, e só quem já deixou de consumir pode afirmar que eles são: dependência, só consegue relacionar momentos bom com o álcool, a capacidade espiritual é afetada, a intuição falha, não consegue enxergar além das ideias humanas, o corpo fica dócil, causa ilusão com a mentira, o corpo se torna um agente dessa indústria buscando mais adeptos, falta de autonomia do próprio corpo, falta de consciência corporal, mental e espiritual, mexe com o humor, distancia da felicidade, estraga órgãos importantes do corpo, deixa a imunidade baixa e abre o corpo pra todo tipo de doença, agrava doenças mentais, atrai eguns mal intencionados, abre ori pra todo tipo de energias, enfim, tem muitos malefícios e nada de benefício. Quem está dependente dificilmente acredita na verdade, preferem se iludir que tudo está bem, e com humor descontrolado e as emoções a flor da pele, não aceitam que o que está fazendo com próprio corpo não está certo. Os alcoólatras quando se deparam com pessoas que preferem está longe das bebidas alcoólicas, se bloqueiam para não serem afetados por alguém “careta”, e se acham no direito de questionar a eficácia da saúde de corpos que se mantém longe desses industrializados.

Relato de um de um escritore que não consome mais álcool

No inicio do isolamento social bebia sempre, por está em casa não tinha dia certo, bastava só dar vontade ou tivesse uma live de quem eu gostasse. Nada de mais pra mim, considerava normal porque todo “mundo” fazia o mesmo. Em meados do isolamento comecei a notar efeitos colaterais no meu corpo, dava pra ver na minha cara que tinha algo de errado. Pálido, inchado, e olheiras fortes externava o que estava errado, mas não associava ao uso abusivo de álcool que tive desde os 22 anos. Parece engraçado pra mim mesmo o que vou dizer, mas é a verdade e agradeço hoje por isso. Umas amigas ficaram conhecendo um canal no YouTube de um cara que falava sobre alimentação viva, nos seus vídeos ele explica que a maior parte de nossas doenças hoje é derivada do que ingerimos pela boca, e que nós precisamos ter mais cuidado com o que colocamos para dentro de nosso corpo. Em alguns de seus vídeos, são evidenciados os efeitos notórios no corpo causado por uma má alimentação (tudo que comemos e bebemos), dentre os efeitos ele falou dos órgãos estarem doentes, no caso foram os rins, fígado e vesícula, onde alguns sinais como palidez, inchaço, e olheira eram a de que esses órgãos estão trabalhando muito e precisa de uma desintoxicação. Obviamente não tive como não acreditar, por ter o sinais, e ser uma pessoa que se preocupa com a saúde, e não me ver em um hospital precisando de ajuda, decidi parar com o uso abusivo de álcool e comer só comida de verdade. Ao passar do tempo fui buscando mais e mais informações a respeito da cura através da alimentação, e entendi que não era só o álcool que me causara doenças, mas toda uma alimentação sem fundamento, e baseada em produtos industrializados, e que possuem substâncias altamente danosas ao corpo humano, podendo ser prejudicial até a nossa vida em sociedade.

Durante 6 meses fiz uma espécie de desintoxicação baseada na alimentação viva (crua), e aos poucos vi a saúde do meu corpo melhorar, e a cada dia mais acreditando nos benefícios de uma alimentação saudável, coisa que antes não acreditava, pois eu nunca havia estado desse lado e poder enxergar a verdade sobre os benefícios de não consumir produtos industrializados. Hoje quase um ano sem consumir industrializados e no auge de meus 28 anos, vejo que minha vida mudou completamente, eu acredito que foi pra melhor, e com os benefícios internos de meu corpo vieram os externos.

Mais da metade de meus amigos se distanciaram, por parte deles e minha, pois não há sentido você ser um corpo em desintoxicação e ficar próximo de um altamente intoxicado. Nem adianta insistir, as frequências são diferentes. Enquanto um corpo intoxicado busca por mais intoxicação, o outro busca o oposto. Para muitos desses “amigos”, não tem sentido está comigo sem a presença do álcool e das comidas industrializadas, é como se a relação fosse baseada apenas nisso.

Hoje, de longe, posso fazer uma análise de meu comportamento e o quanto eu fui influenciada por falsas verdades evidenciadas em propagandas, e o quanto fui tola em acreditar e reprimir aqueles que não eram iguais a mim. Hoje com minhas conexões neurais se desintoxicando, posso ver o controle mental que essas organizações industriais tem sobre a humanidade, e como seu poder é tão grande que fazem as pessoas se distanciar do próprio corpo e transformá-lo em depósito de lixo.

Quero deixar um conselho pra quem ainda está na frequência de dependência em drogas. Mais postura povo! tudo bem você está perdido nessa dimensão, agora querer permanecer perdido resulta em implicações pra você e o outro. Sei que ninguém quer ser obrigado a virar peneira da indústria farmacêutica. Mudar as coisas requer mudar os hábitos, se você trabalha muito e quer relaxar depois do trampo, tudo bem, mas por que ao invés de lutar pelo direito de tomar uma, não luta por menos horas de trabalho? Enquanto a gente fica com o pensamento de que a mudança tem que vir da indústria e do Estado, ela não virá, pois eles só querem uma coisa, lucrar, e o ditado é simples e direto, “em time que tá ganhando não se mexe”.

Atente para o seu corpo, veja o que ele está lhe dizendo, e socorra o que você tem de mais sagrado nessa vida, a existência. Não quero que você faça exatamente o que eu fiz. longe de mim dar receitas prontas, pois não quero corpos desorientados e sem juízo me culpando por uma consciência corporal mal feita. O que posso dizer é que você se entenda com você mesma, conheça seu próprio corpo, assim você saberá o que é melhor pra ele. Pare de abusar das drogas( comidas de mentira), na tentativa de se iludir querendo que as coisas melhorem, pois dessa forma você só consegue piorar tudo.